Para que a sua empresa consiga se comunicar eficazmente com o público, é altamente recomendável implementar a comunicação integrada. Esse conceito parte do pressuposto de que a mesma linguagem deve ser adotada em todos os canais que a organização utiliza para falar com os seus stakeholders.

Ao contrário do que muitos pensam, a ideia de comunicação integrada não se resume em centralizar todas as atividades comunicacionais em um único setor ou profissional. Trata-se, na realidade, de fazer com que todos eles trabalhem em sinergia, complementando um ao outro.

Para entender mais sobre essa prática, continue a leitura e esclareça suas dúvidas!

O que é a comunicação integrada?

A professora e pesquisadora Margarida Kunsch é uma das pioneiras no estudo da comunicação integrada no Brasil.

Segundo os seus estudos, as empresas devem ter o objetivo de adotar uma linguagem em comum para seguir a cultura organizacional e seus preceitos na comunicação com os mais diversos públicos: clientes, fornecedores, prospects, funcionários, membros da comunidade em que está inserida etc.

Para Kunsch, a comunicação de uma empresa divide-se em quatro segmentos:

  • comunicação institucional: responsável pela parte social e cultural da empresa, englobando atividades relacionados ao jornalismo empresarial, assessoria de imprensa, identidade corporativa e publicidade institucional;
  • comunicação interna: proporciona o bom relacionamento da empresa com seus funcionários, promovendo ações de endomarketing;
  • comunicação administrativa: garante a boa comunicação da empresa por meio de processos burocráticos, como a emissão de ofícios, memorandos e comunicados;
  • comunicação mercadológica: visa divulgar os produtos ou serviços da empresa para conquistar novos clientes. Para tanto, emprega-se ações publicitárias e de merchandising, entre outras.

Quais são os benefícios da comunicação integrada para as empresas?

Entre os principais benefícios da comunicação integrada para as empresas, destaca-se o fato de que todas as áreas comunicacionais são planejadas em conjunto, porém, realizadas de forma separada, seguindo os mesmos preceitos.

Afinal, não faz sentido que uma organização estabeleça boas comunicações institucionais e partisse de programas sociais na comunidade em que atua, mas, não desenvolva uma comunicação interna eficiente junto aos seus colaboradores.

Além disso, com os processos alinhados, a empresa tende a melhorar sua imagem em todas as áreas, aumentando, consequentemente, suas chances de sucesso em todas as operações comunicacionais.

Quais especialidades são necessárias para o sucesso da comunicação integrada?

Geralmente, os profissionais ligados à área de jornalismo se encarregam da assessoria de imprensa e da produção de materiais institucionais da organização, como o jornal interno ou a newsletter.

Os profissionais da área de relações públicas, por sua vez, tendem a se concentrar, preferencialmente, no setor institucional, promovendo a marca e protegendo a imagem da empresa, além, é claro, de mediar o relacionamento com a imprensa.

Os publicitários são os responsáveis pela difusão de mensagens mercadológicas e persuasivas em meios diversos, como a televisão, jornais, rádios e, também, pela internet, nas ações de marketing digita, a fim de contribuir para que sejam efetivadas as vendas.

Outros profissionais de marketing podem fazer parte desse mix, como os designers, que atuam fortemente na padronização gráfica da identidade visual da empresa e em todos os processos da comunicação integrada.

O mix da comunicação, embora tenha surgido ainda na época em que o marketing tradicional dominava as organizações, pode ser aplicado no marketing digital. Para saber mais sobre isso, recomendamos a leitura de “Marketing digital para pequenas empresas: como competir com as grandes?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>